top of page

Príncipe herdeiro saudita ameaçou prejudicar economia dos EUA


O príncipe herdeiro Mohammed bin Salman ameaçou em particular prejudicar a economia americana depois que o presidente Joe Biden alertou a Arábia Saudita sobre as “consequências” por concordar com um corte na produção de petróleo com a Rússia, informou o Washington Post, citando material vazado.


O governo Biden havia dito que reavaliaria as relações com o reino após a decisão de Riad de reduzir a produção de petróleo contra a vontade dos EUA.


O príncipe herdeiro, amplamente conhecido como MBS, alertou que não negociaria mais com o governo dos EUA se Biden penalizasse a Arábia Saudita. Ele também prometeu “grandes consequências econômicas para Washington”, informou o Post na quinta-feira.


A ameaça estava contida em um documento confidencial que vazou em um servidor Discord, mas não ficou claro se a observação fazia parte de comunicações interceptadas ou uma mensagem enviada em particular para os EUA.


Biden deixou claro sua insatisfação com Riad em outubro passado, depois que o grupo OPEP + de grandes produtores de petróleo, incluindo a Rússia, concordou em cortar a produção em dois milhões de barris por dia. Washington estava trabalhando para punir Moscou com sanções ao seu comércio de petróleo devido ao conflito na Ucrânia.


“Haverá algumas consequências para o que eles fizeram com a Rússia”, disse o presidente dos EUA em entrevista à CNN na época, sem especificar quaisquer medidas possíveis.


Na campanha antes de sua eleição, Biden prometeu fazer da Arábia Saudita um “pária” devido ao suposto papel do príncipe herdeiro no assassinato em 2018 do colunista do Washington Post Jamal Khashoggi, que Riad atribuiu a agentes desonestos.


Essa ameaça nunca se materializou, com fontes da Casa Branca indicando que o governo Biden havia optado por não comprometer as relações bilaterais. Sob um acordo de décadas, os EUA fornecem segurança à Arábia Saudita e, em troca, mantêm o acesso ao seu petróleo, que o reino troca por dólares, sustentando-o como moeda global.


Vários altos funcionários dos EUA viajaram recentemente para a Arábia Saudita, incluindo o secretário de Estado, Antony Blinken. Essas relações contrastam com a suposta química pessoal pobre entre Biden e MBS, que não se encontram desde julho passado.


O príncipe herdeiro saudita de 37 anos, responsável pelos assuntos do dia-a-dia do reino no lugar de seu pai, o rei Salman, supostamente zomba de Biden em particular, zombando de suas gafes e lapsos mentais. Os críticos do presidente dos EUA o acusaram de ceder à pressão saudita.


Fonte: Gazeta Brasil

23 views0 comments

Comments


bottom of page