top of page

Elon Musk diz que não tem medo das ‘consequências’ da liberdade de expressão


O chefe do Twitter, Elon Musk, disse que continuará a fazer declarações controversas na plataforma de mídia social, mesmo que isso resulte em perdas financeiras, ao rejeitar as acusações de antissemitismo na emissora americana CNBC na terça-feira (16).


“Vou dizer o que quero dizer e se as consequências disso forem perder dinheiro, que assim seja”, disse Musk a David Faber, da CNBC, acrescentando mais tarde que “tem permissão para dizer o que eu quiser”.


Os comentários de Musk vieram logo depois que ele descreveu o empresário húngaro-americano George Soros como alguém que “odeia a humanidade” e quer “corroer o próprio tecido da civilização” para seu público de quase 140 milhões de seguidores no Twitter.


Musk também comparou Soros – que é um doador prolífico para inúmeras causas de esquerda nos Estados Unidos e no exterior – ao supervilão da Marvel Comics, Magneto. Isso gerou críticas de David Kaye, ex-relator especial da ONU sobre liberdade de expressão, que descreveu a salva de Musk no Twitter como “anti-semitismo de isca de Soros”.


Soros é de origem judaica na Hungria e sobreviveu à ocupação nazista de seu país natal em sua juventude. Magneto, em comparação, é um vilão dos quadrinhos de origem judaico-alemã que foi um sobrevivente do campo de concentração no cânone da Marvel Comics.


As críticas a Soros têm sido frequentemente referidos como propaganda antijudaica, inclusive pela Liga Antidifamação, que na terça-feira acusou Musk de propagar tropos antissemitas em seu ataque a Soros.


Mas Musk, que se defendeu como um autodeclarado “absolutista da liberdade de expressão”, defendeu sua posição para a CNBC e insistiu que é “pró-semita, no mínimo” e que suas opiniões sobre Soros são “apenas minha opinião”.


Musk, que adicionou o Twitter ao seu extenso portfólio de negócios no ano passado em uma aquisição multibilionária de alto perfil, implementou uma onda de medidas de corte de custos na empresa de tecnologia desde que o acordo de US$ 44 bilhões foi aprovado. Ele admitiu à BBC na semana passada que demitiu mais de 80% da força de trabalho do Twitter desde que assumiu o cargo.


Ele acrescentou que o Twitter está “perto” de empatar antes da apresentação no próximo mês da executiva de publicidade Linda Yaccarino como a nova executiva-chefe da empresa no lugar de Musk – e que ele pretende pedir a alguns dos 6.000 funcionários demitidos em cortes recentes para volte para a dobra do Twitter “se eles não estiverem muito bravos conosco”.


Fonte: Gazeta Brasil


21 views0 comments

Comments


bottom of page