top of page

Adélio se recusa a tomar medicamentos para doença que o tornou inimputável


Prestes a completar 5 anos desde que tentou matar o ex-presidente Jair Bolsonaro, Adélio Bispo de Oliveira se recusa a tomar medicamentos para a doença psiquiátrica que fez com ele fosse considerado inimputável pela facada que acertou a barriga do então candidato durante ato público em Juiz de Fora (MG).


A informação é do jornal Folha de S.Paulo, que conversou com advogados que assumiram a defesa de Adélio. Preso desde a data do atentado, em 6 de setembro de 2018, o autor da facada está na ala de segurança máxima da Penitenciária Federal de Campo Grande (MS).


Considerado portador de transtorno delirante persistente, ele obteve uma sentença de absolvição imprópria e precisa ficar internado enquanto oferecer risco à sociedade.


Segundo a Folha, laudos psiquiátricos recentes sugerem um agravamento do estado de saúde mental de Adélio. Ele evita os banhos de sol, pouco fala com outros presos e, segundo o presídio, se recusa a receber familiares, como a irmã Maria das Graças Ramos de Oliveira, que mora na cidade mineira de Montes Claros, terra natal da família.


Além disso, Adélio não reconhece ter doença mental e alega que os remédios são desnecessários e causam efeitos colaterais. Embora tenha momentos de aparente lucidez, os profissionais relatam delírios recorrentes, com manias de perseguição e falas desconexas. Ele não indica arrependimento pela tentativa de assassinato, afirma a Folha.


Fonte: Revista Oeste

66 views0 comments

Comments


bottom of page