top of page

ABSURDO: Em nota, MST chama ações terroristas do Hamas de ‘luta justa’ e finaliza falando em ‘amar’


O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) do Brasil divulgou nota nesta terça-feira (10) em apoio “total e irrestrito” à luta da Palestina. O movimento também criticou a política de “apartheid implementada pelas autoridades israelenses”.


No entanto, o MST não citou o Hamas, grupo terrorista que assumiu a responsabilidade pelos ataques que detonaram uma guerra com milhares de mortes em Israel e em Gaza. Em vez disso, o movimento exaltou as ações do Hamas, chamando-as de “luta justa”.


Eis a íntegra da nota do MST:

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) do Brasil mais uma vez reitera nosso apoio total e irrestrito à luta do povo Palestino pela sua autodeterminação e contra a política de apartheid implementada por Israel.

A Resistência Palestina, desde Gaza, reagiu, de maneira legítima, às agressões e à política de extermínio que Israel implementa na região há mais de 75 anos.

Gaza foi transformada pelo governo sionista de Israel em uma prisão a céu aberto! Um campo de concentração isolado do resto do mundo, permanentemente atacado e bombardeado pelo exército de Israel.

Um território de 365 km² onde vivem mais de 2 milhões de palestinas e palestinos que foram expulsos de suas casas e suas terras pelo exército e por colonos de Israel. Um dos territórios mais densamente povoados do mundo, em que as pessoas não tem a liberdade de ir e vir; são privados de comida, água, medicamentos, energia, assistência médica, entre outros direitos.

À brava Resistência Palestina em Gaza: seguiremos apoiando e defendendo o direito legitimo dos povos a reagir contra a opressão!

Ao povo de Gaza: vocês são um exemplo de resiliência para todos e todas que lutam por um mundo mais justo, onde os povos tenham o direto de definir seus próprios destinos, sem intervenções e colonizações.

Ao povo Palestino em qualquer lugar do mundo: vocês têm no Movimento Sem Terra irmãos e camaradas de luta! Não descansaremos enquanto não conquistarmos uma Palestina livre, com capital em Jerusalém e com o legitimo direito ao retorno de todos os refugiados expulsos de suas casas, terras e aldeias!

Seguiremos de mãos dadas com o povo Palestino, rompendo todas as cercas e muros que nos privam de viver e amar!


Fonte: Gazeta Brasil

8 views0 comments

Commentaires


bottom of page